29 de abril de 2012

Obama supera Bush e manda matar qualquer um em atitude suspeita no Iêmen


 

Artigo muito interessante escrito por Gustavo Chacra, do jornal Estado de São Paulo. 

Barack Obama supera Ariel Sharon e George W. Bush. Os dois primeiros autorizavam assassinatos seletivos de inimigos. Concorde ou não, eles alvejavam pessoas que de uma forma ou de outra ameaçavam Israel ou os Estados Unidos.
Já o atual ocupante da Casa Branca foi além. Em meio a acusações de estar violando as próprias leis americanas, Obama decidiu ampliar as operações com drones, como são chamados aparelhos não tripulados, contra a Al Qaeda da Península Arábica (AQAP), que possui base no Iêmen. A partir de agora, apenas um comportamento suspeito será suficiente para a CIA ou as forças americanas ordenarem um ataque.

Isso mesmo, “comportamento suspeito”. No Iêmen, onde praticamente toda a população masculina tem armas e se veste, na maioria das vezes, com vestimentas tribais tradicionais. Logo, uma turma de amigos indo mascar qat no fim da tarde, algo ultra normal no país, pode ser descrita como uma célula terrorista. E o falcão Obama manda matar.


Claro, o presidente não receberá as mesmas críticas dirigidas a Bush ou Sharon. Não me perguntem o motivo. Apenas registro que existe uma diferença no tratamento. Pessoas que condenavam o republicano no Iraque, idolatram a performance do democrata no Afeganistão, apesar de uma ação ser a réplica da outra.

Voltando ao Iêmen, antes de aprovar estas operações, os EUA apenas autorizavam ataques caso um líder da AQAP estivesse presente. Era nos moldes de Sharon e Bush, não de Obama, o guerreiro.

De acordo com o professor de direito de Yale, Bruce Ackerman, em artigo no Washington Post, Obama “viola barreiras legais erguidas pelo Congresso para impedir a Casa Branca de levar adiante uma guerra sem fim contra o terrorismo”.

Nos últimos meses, a AQAP voltou a crescer no Iêmen, independentemente das amplas operações militares de Obama que deixaram centenas de mortos. Para complicar, o governo de Abed Rabbo Mansour al-Hadi ainda não consolidou o poder em Sanaa desde que Abdullah Saleh concordou em deixar o poder depois de décadas. O ex-líder permanece no país e envolvido ativamente na política. Seu filho ainda lidera a Guarda Revolucionária e forças ligadas à sua família ocuparam por alguns dias o aeroporto da capital. “A deterioração política durará anos”, avalia James Fallon, da Eurasia.

Além da AQAP, o governo do Iêmen enfrenta separatistas no sul e levantes da minoria houthi no norte. Todos estes problemas existiam mesmo antes da eclosão da Primavera Árabe. Ontem, em Sanaa, ainda havia protestos contra o governo.

0 comentários:

Postar um comentário

Membros deste blog e usuários das contas google, podem postar comentários.
Serão aprovados comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais(e-mail, telefone, RG etc.) ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.
Serão aceitos comentários somente de seguidores deste blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...